Fan tokens: revolucionando o futebol no Brasil e no mundo

Investimento Fácil

Fan tokens são ativos digitais que estão aproximando ainda mais os torcedores do seus clubes. Através da compra desses tokens, eles podem ter o poder de voto em algumas iniciativas do time, além de outros benefícios exclusivos, como compra antecipada de ingressos e acesso a eventos especiais.

Equipe 2nd Market

10 out 2022 • ATUALIZADO 10 out 2022

A relação entre fãs e aquilo que eles admiram – um clube de futebol por exemplo – tem sido tradicionalmente uma via de mão única.

Os fãs compram ingressos e mercadorias, e os times utilizavam os lucros para investir em toda a organização

Agora um novo tipo de criptomoeda, o fan token, promete mudar a dinâmica desse relacionamento.

Veja como essa nova classe de ativos digitais está revolucionando o futebol, ampliando experiências e criando um novo mercado que cresce todos os dias.

O que são Fan Tokens?

Fan tokens ou criptomoedas esportivas são ativos digitais que permitem as equipes de esportes, ligas, clubes, associações e jogadores fortalecerem o engajamento dos fãs.

É especialmente útil para times e equipes permanecerem conectadas com torcedores não só em seu país, como também ao redor do mundo todo.

Por exemplo, se você gosta de acompanhar os jogos do Barcelona FC e quer ter uma experiência diferenciada, os fan tokens desse clube podem lhe render benefícios e oportunidades em eventos tanto no mundo real quanto no metaverso.

Eles podem ser usados não só nos esportes, como também por grupos de fãs de música e outras organizações para democratizar e organizar experiências, estabelecer a liderança e muito mais.

Ao contrário dos NFTs, os fan tokens são “fungíveis” ou intercambiáveis.

Fan tokens - Torcedores comprando seus tokens através do celular.

Isso significa que, assim como uma moeda fiduciária ou dinheiro, os tokens podem ser trocados por mercadorias do clube esportivo e experiências VIP, por exemplo.

São um tipo de criptoativo que não são necessariamente apoiados pelos princípios de valor subjacentes do Bitcoin ou Ethereum, e sim de quanto os torcedores valorizam sua participação no clube e ter acesso aos benefícios exclusivos.

Como funcionam?

A ideia básica é que uma organização – uma equipe esportiva por exemplo – crie uma determinada quantidade de tokens e depois os vende ou distribui para fãs ou qualquer outra pessoa que deseja comprar.

O intuito é aproximar o criador do fã, criando mais um meio de interação por meio de comunidades e itens exclusivos colecionáveis com diversos tipos de benefícios.

Os fan tokens geralmente conferem alguns direitos limitados de governança aos detentores.

Por exemplo, o token do Paris St. Germain permite que os torcedores acessem experiências VIP exclusivas, como a votação sobre a capa do jogo “Fifa 22”.

Os torcedores também selecionaram uma mensagem para apresentar no vestiário do time, em uma partida de maio de 2021: “Juntos podemos, juntos conseguiremos! Vamos dar mais um passo em direção à glória e à vitória.”

Fan tokens - Jogadores do Paris Saint German comemorando no vestiário com a frase "Juntos podemos, juntos conseguiremos! Vamos dar mais um passo em direção à glória e à vitória"

Outras possíveis votações que os detentores de fan tokens podem decidir, podem envolver:

  • O design de merchandising de um clube
  • Projetos de ônibus de turismo
  • Emissão de ingressos
  • Locais de jogos

Essas vantagens permitem que os torcedores se sintam mais envolvidos no clube que já torcem e adicionam um nível extra de orgulho e prestígio, pois seus tokens provavelmente aumentarão de valor à medida que o clube crescer ao longo do tempo.

Clubes brasileiros e seus Fan Tokens

Veja a seguir como alguns times brasileiros e a própria seleção iniciaram sua participação na economia cripto, proporcionando uma nova experiência para os torcedores.

Atlético-MG

O Atlético-MG lançou o fan token $GALO em agosto de 2021, vendendo 850 mil unidades cada um pelo preço de US$ 2.

O faturamento foi de US$ 1,7 milhão, sendo que metade ficou para o time e a outra parte para a Socios.com, empresa emissora do token.

Corinthians

O Corinthians tem o fan token $SCCP, lançado em setembro de 2021 também em parceria com a Socios.com.

Assim como o Atlético-MG, o clube vendeu 850 mil unidades na oferta inicial, e arrecadou US$ 1,7 milhão – parte ficou com a empresa emissora.

Flamengo

Em outubro de 2021, o Flamengo colocou no mercado o $MENGO, emitindo 1,5 milhão de tokens no valor de US$ 2, e foi considerado a segunda maior Oferta de Fan Token da história da Socios.com, que também está envolvida no projeto.

Cerca de 1 milhão de tokens foram vendidos nos primeiros 12 minutos após a abertura – um recorde. Clube e empresa emissora embolsaram cerca de US$ 3 milhões.

São Paulo

Negociado sob o ticker $SPFC, o fan token do São Paulo ganhou “vida” no início de novembro de 2021.

Assim como Atlético-MG e Corinthians, o clube ofertou 850 mil unidades na venda inicial – com um lucro fode US$ 1,7 milhão.

Santos

Diferentemente dos outros clubes brasileiros, o Santos decidiu adotar o caminho das finanças descentralizadas (DeFi) para se lançar no mercado cripto.

O “Peixe” ofereceu seu ativo – o Santos FC Fan Token – por meio da exchange descentralizada PancakeSwap (Cake).

Para comprar o token, o torcedor precisou depositar a criptomoeda CAKE na corretora (processo conhecido como farming).

Até o dia 16 de fevereiro de 2022, havia US$ 4,5 milhões em fan tokens em circulação.

Cruzeiro

O Cruzeiro lançou seu token no final de dezembro em parceria com a Lunes, empresa brasileira de tecnologia blockchain.

O clube divulgou que as 900 mil unidades do Cruzeiro Fan Token (CRZ) ofertados na venda inicial – cada um por R$ 6,10 – foram vendidas em 10 minutos, tendo um lucro de R$ 4 milhões.

Brasil

Além dos clubes, a Seleção Brasileira também começou a jogar no universo cripto.

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) lançou o Brazil Fan Token (BFT) em parceria com a empresa turca Bitci em meados de 2021.

Fan tokens - representação do token da seleção brasileira na blockchain.

Em julho de 2021, na oferta inicial, a CBF informou que vendeu 30 milhões de unidades do BFT, arrecadando 15 milhões de euros – o equivalente a R$ 90 milhões na época.

Vale a pena investir?

Se você pensa em comprar fan tokens dentro de um viés de investimento, lembre-se de uma coisa: o que determina o valor desses ativos são o quanto seus detentores acreditam valer ou não.

Claro que outros fatores podem determinar a variação desses tokens, com o sucesso ou fracasso de um clube em um campeonato, mas ainda assim, o mercado é conhecido por sua volatilidade e alto risco.

Por outro lado, se o seu objetivo também envolve apoiar um time que você torce e quer ter uma experiência única, comprar fan tokens é uma opção válida.

Antes de tomar qualquer decisão, faça suas pesquisas e analise bem não só onde investir, mas como está a evolução desse mercado.